Um manto branco, cobria o pequeno ribeiro…

Esse que sempre corre para  o mar, depressa ou devagar…

Hoje, não foi diferente, mas o manto levantou-se até ao firmamento…

Não pude registar em fotografia porque atrás de mim, tem sempre alguém com pressa para passar…

Ficou registado apenas na minha mente, este cenário imponente

Da separação da neblina, no ribeiro que levemente corria…

Talvez amanhã o cenário se repita e,

Atrás de mim não esteja ninguém apressado

Com a pressa,  de ir a nenhum lado…

EU E O MUNDO

 

 

Anúncios