NOVO VS VELHO PARADIGMA MUNDIAL…

O povo comum reclama por horas a menos de trabalho, e salário maior, por esse trabalho a menos, horas extras pagas a triplicar conforme lei, dizem não terem qualidade de vida, nem tempo para a família, e por aí vai…

Que povo comum é este?

É o povo do velho paradigma, também empresarial, onde o estado, supostamente deve pagar tudo e mais alguma coisa, sem ter dinheiro para tal, por isso, sobrecarrega os contribuintes e as empresas que realmente pagam impostos, para dar aos que reclamam…

O velho paradigma está morto, ainda não sabem, mas está morto, apenas estão a dar os últimos suspiros, e o fazem, recorrendo ao novo paradigma, as tecnologias, enquanto não entramos a 100% nele…

Quem é o povo do novo paradigma?

São todos aqueles que não contam as horas extras, que trabalham por vocação, que gostam do que fazem e que têm liberdade de escolha de horário, tanta escolha que ficam a trabalhar pela noite dentro sem  se aperceberem que as horas passaram,  não reclamam as horas extras, porque o paradigma é diferente, assim como as suas necessidades são diferentes…(livremente acorrentados, opinião do velho paradigma)

A família, normalmente coabita  no mesmo paradigma, o tempo e qualidade de vida, é mesmo o trabalho, e o relaxamento acontece sem sair de casa…

Ganham acima da média, fazem planos para férias fantásticos, são consumidores sem se preocuparem com o salário que auferem, porque chega para tudo, e pagam a tempo todas as contas, porque basta um click, sem saírem de casa…

Este é o novo paradigma, o IoT, é aqui que o mundo novo sabe dar cartas, e o mundo velho fica a ver, não tendo sequer vontade de aprender, o mundo mudou, o antigo está moribundo, e continuamos a aprender, como se o tempo tivesse parado…

São felizes?

Se cumpridas as necessidades da pirâmide de Maslow, tudo fica satisfeito, porém, a pirâmide, já não tem a mesma base que a pirâmide original, a original tinha (tem) como necessidade básica, a fisiologia (respiração, comida, água, sono, homeostase, excreção), a nova pirâmide, se na base não tiver WiFi, sentem-se perdidos como moscas em fim de verão, esta é a nova realidade, por isso mesmo, um dia deste entra a rede 5G (nefasta para a saúde em geral), para dar mais força e rapidez a estes assuntos…

Este é o novo paradigma, enquanto o velho, sonha com o passado que não volta, convém aceitar, dói menos…

Estamos no auge de um e na morte do outro, e não sabemos (os mundos) coabitar, cada um justifica o seu como o melhor, mas, o melhor pertence a cada um e como cada um quer estar…

No fundo, o novo paradigma resume-se aos criativos, não importa a área, os criativos não têm hora, nem dia marcado para criarem, por isso, todo resto é secundário…

Se Maslow regressasse, teria que reinventar a pirâmide, ou então, alguém o deverá fazer por ele 😊

EU E O MUNDO

Anúncios

PESSOAS REAIS !

Eu gosto do ser humano, não da imitação do que ele quer ser.

Gosto quando ela falha e pede ajuda…

Gosto quando ele triunfa e celebra sem ter que pedir desculpa.

Gosto que ele pareça doido penas por que deu aquela vontade…

Gosto do ser humano que fura  protocolos e convenções, próprios das invenções para dar « valor  » ilusório,  a quem deles necessita …

Gosto dos humanos que o são, que choram , discutem, dançam , trabalham com vontade e até se  baldam quando apetece, gosto das coisas meio doidas e desalinhadas, e não gosto de pessoas apromadas…

Não gosto do diz que disse, abomino indirectas etc

Gosto de humanos que fazem, sem dizer que vão fazer…

Em suma, gosto de pessoas originais , nem de menos nem de mais, apenas  reais…

EU E O MUNDO

DE FACTO…

De facto, já não interessa nada, do que dizem ou do que fazem…

De facto, nada importa se os outros não entendem…

De facto, sou eu mesma sem tirar nem por, por isso mesmo, de facto não se passa nada, quando o nada não se valoriza ou não se simpatiza…

A vida é plena de factos, e de facto resume-se a pouco, esse pouco que transborda e sai pela porta fora, sem saber do hoje do amanhã e do que  virá…

Somos seres interessantes e bizarros, satisfeitos e impacientes, queremos agora e não esperamos, e o que de facto importa, então, “roubamos”…

Com isso fazemos, dizemos, acontecemos, saltamos, choramos , brincamos, mas, não somos reais, isso é um facto que com certeza não valorizamos, por isso andamos sempre nisto…

EU E O MUNDO

MUNDO NOVO!

Todos esperamos por um mundo novo…

  • De ideias
  • De soluções
  • De coisas diferentes
  • De pessoas reais
  • De pessoas especiais
  • De vidas desejadas
  • Etc

Mas, as ideias proliferam como cogumelos, e ainda assim tudo está estacionado no mesmo lugar..

As soluções, são por medida e circunstanciais, favorecendo quem menos faz…

Coisas diferentes acontecem ao acordar, com um novo respirar …

As pessoas reais, andam escondidas atrás de ecrans por lá conversam, deixando o essencial por dizer e fazer…

As vidas desejadas, mudam em cada segundo, apenas temos que ter o controlo dos segundos e o que queremos fazer, no seguinte, e de depois disto, se tudo se descontrolar de novo, não tem mal, porque iremos encontrar, novas ideias, novas soluções, coisas diferentes, pessoas reais, pessoas especiais,  vidas desejadas, e se nada acontecer o circulo volta a repetir-se, o tal etc,  por isso, sorria e aceite…   Dói menos 🙂

Albertina Correia

 

AI SETEMBRO AI SETEMBRO

Ai Setembro Setembro
Que de ti já pouco lembro
Esse pouco que transborda
E sai pela estrada fora

Encontra-se com a chuva
Que a medo e de rompante
Manda entrar o outono
Que carrega consigo
Quantidades de folhas soltas
Escritas de uma só vez
Num verão que teve tudo
E de tudo nada fez…

Ai Setembro dos amores
Dos encontros e desencontros
Das folhas tu nada sabes
Agora estão arquivadas
Até um próximo verão
Que bem pode ser este Outono
Disfarçado de sedução …

Folhas Soltas

HEI!?!?

Observo o infinito

apetece-me dar-lhe um grito…

Hei, quem está aí?

Será que podem olhar para aqui?

Silencio……….

Hei está aí alguém que me compreende ?

Silêncio …….

Pelos vistos ninguém me entende

ou então é desabitado …

Olho para o ar e paro de gritar …

Ainda um dia irei perceber

o que daquele lado estará a acontecer …

Entretanto  fico por aqui

Mas de olhos postos em ti …

EU E O MUNIDO

FELICIDADE ?!

Felicidade genuína, não é assunto de adulto, é assunto de criança.

Os adultos não sabem ser felizes, esqueceram-se de como o ser, quando algures, no meio do caminho, se perderam  da sua criança interior.

Hoje em dia, os adultos, fingem que são felizes, fingem que são amigos, fingem que está tudo bem, fingem com quantos dentes têm na boca, e quanto melhor fingem , mais “felizes ” ficam…

As crianças são felizes, mesmo se tudo não corre sempre bem, porque não tem a maldade  das regras impostas pela sociedade, do politicamente correcto, do socialmente correcto, do não fazer “figura má”, porque, nem sabem o que isso é…

Já os adultos, são peritos nessas coisas do fingir, e como fingem, até dói para quem sabe a verdade, caminham por entre outros, fazendo jus ao politicamente e socialmente correcto, quais catedráticos no assunto…

Por isso, raramente os adultos estão bem, consigo e com os outros, porque a dor que fingem, em algum lugar se alberga, e é sempre o corpo que paga…

Serei eternamente criança, não farei agrados apenas por que sim, pois,   serei sempre a criança que habita em mim…

EU E O MUNDO

SETEMBRO 2015

É sempre em  Setembro, que começa

É sempre em Setembro , que se ama

É sempre em Setembro, que se viaja

É sempre em Setembro, que o tempo não passa

De Setembro se faz saudades

Espera-se que ele regresse mas não se apresse

Vontade de ir mais longe

Que Setembro fique e não implique

Que se faça sol sem escaldar

Que se faça dia mesmo sem brilhar

Que a lua acorde

Desperte em Setembro fazendo-o  lembrar o ano inteiro

Ainda não chegou a viagem já começou

Esperando amar se o tempo puder parar

Vou aguardar  o amanhã

Um novo Setembro começará

Sei que nada será como antes

Com Setembros escaldantes

Mas, agora mais ameno Setembro se fará sereno

Abrirei as portas da vida para que possa entrar mais brisa

Esperarei então até amanhã e amanhã logo se verá!!!…

Albertina Correia

SER O TEMPO…

Gostaria de poder ordenar ao tempo

Que ele me desse mais tempo

Ao tempo que depressa passa…

Outras vezes, 

Ordenar que ele anda mais devagar

Outras tantas

Que simplesmente fique quieto

A fim de nos dar mais de si 

Enquanto ainda não parti…

Mas, não posso!

Porque eu sou o tempo

Que posso ou não dar mais tempo 

Ao tempo que depressa passa

E se eu ainda quiser, ordeno para andar mais devagar

E outras até mesmo parar…

Como tempo que sou

Agora estou qui

Daqui a pouco não sei onde estou

Apenas sei que vou….

EU E O MUNDO