“A Idiota”…

Ela esperava sempre a tarde, no final do almoço, Ela sabia que ia ficar sempre só!

E todos os dias, durante largos anos, a rotina foi, no início da tarde até a luz desaparecer, ficar sempre sozinha!

Também era certo que era para andar de bicicleta, durante o tempo necessário de a recolherem, até podia ter sido interessante, mas, era uma brincadeira a solo!

No Verão, era sempre mais interessante, havia pessoas na rua, havia o sol, claridade até tarde, mas, de Inverno tudo mudava!

E, mudava tudo da rua, da rua, para um quintal, sem acesso à casa, e continuava tudo na mesma, sozinha até ao final da tarde, apenas alterava a geografia!

Acesso à casa não havia, como referido, era um esmagar de horas, à espera que elas se lembrassem que Ela estava ali sozinha e que existia!

Até que um dia, foi até ao fim do quintal para esticar as pernas, do outro lado do muro com rede, existia um menino, aparentemente da sua idade, entre os seis e os oito anos,  e foi assim que durante muitas tardes, brincavam um com o outro, cada qual do seu lado, como se fossem prisioneiros, ela, até era, só que não sabia, ele o menino, de que nunca soube o nome, estava apenas a acompanhar os seus pais, enquanto estes trabalhavam o campo!

Nunca até então, Ela se tinha apercebido da aberração de uma meninice solitária, onde terminava nos dias mais chuvosos, dentro de um anexo sem nada para fazer, onde a sua única distração, era apenas imaginar o que estaria dentro de caixas e mais caixas, solitariamente bem arrumadas, há!,  havia também  vários poters nas paredes,  de uma mulher dos anos cinquenta,  loira, com uma fita negra no cabelo, não sei quem era,  eventualmente alguma atriz famosa, apenas sei que por baixo de cada poster estava escrito em letras pretas (sim, tudo era a preto e branco) “A idiota”!

Passados tantos anos, acho que aquela “Idiota”, se adaptava na perfeição a Ela, que passava todo tempo, somando e multiplicando tempo, mas, o tempo era sempre o mesmo, MUITO, que idiotice sem escolha !

COISAS DE OUTROS TEMPOS!

ALERTA…

O F@cebook, juntamente com os do costume, estão a calar-nos de todas as formas!

O tempo, está a correr depressa demais, não dando tempo de pensar, é bem provável que um dia destes eu fique sem redes sociais!

Tudo começou com um post de um livro sobre Hitlerrrrr, onde eu escrevia que todos o deviam ler para que o mundo nunca se esquecesse das barbaridades, resultado, o algoritmo do homenzinho que em cima referi, bloqueou-me o face, enviando-me uma mensagem que que tinha publicado conteúdos impróprios! :/

Depois desse episódio, já me bloqueou mais vezes, apenas porque eu partilhei alguns dos meus poemas na minha página do facebook, poemas simples sobre a mulher, e fui bloqueada :/

Caso para dizer que andam á caça às bruxas…

Estou estupefacta, falar sobre a mulher deu direito a bloqueio ( e o poema até era bonito) :/

Que mais virá a seguir?

Provavelmente fecharem-me a conta, porque meia dúzia de algoritmos mecanicamente automáticos quer ditar leis sobre humanos com emoções!…

Quem lá meteu os algoritmos foram humanos, mas agora, já não são os humanos que controlam, portanto, posso considerar que é o principio do fim :/

Este não me vão bloquear porque não o vou partilha nas redes!

Pandemia nos trouxe até aqui, vamos ver até onde nos leva !…

OS ANOS IMCOMPARAVELMENTE LOUCOS DOS SEC XXI

Antes…

Antes, era ontem!

Ontem, foi o passado, do que gostaríamos de ter no futuro!

Estamos fechados em pensamentos e opiniões que nos dificultam a razão

Mas, não por falta de opção!

O excesso dela, faz de nós, seres carregados de teorias, mas, com as mentes vazias!

Gostava-mos de fazer diferente, mas somos muitos!…

Por isso mesmo,

O diferente, não é o melhor para toda a gente…

Poderíamos ser devidos por grupos, mediante as convicções de cada um…

Mas, o mundo move-se por massas grosseiras, derrubando ao passar

Todos aqueles, que de outra forma querem, ou possam pensar!

As massas, essas que são sempre as mesmas, as que não pensam pela própria cabeça

As que sofrem sem saber o porquê, convictas de que são heróis da nação!

Na verdade não o são, definitivamente não!

Por isso,

O antes foi ontem…

Ontem já é passado

De um futuro há muito tempo arquivado

Paralelo com o presente ausente, e um futuro inventado por toda a gente!

Gente pertencente às massas incautas

Que apenas conseguem ver

O que de facto, não está a acontecer…

OS ANOS LOUCOS DO SEC XXI

Não importa…

Não importa para nada

Saber que sabemos, ou mesmo,

Não saber nada…

Não faz diferença nenhuma, o saber é aprendido

Aprendemos o que queremos

Aprendemos o que nos dão, mas, aceitar é nossa opção!

A sabedoria é algo diferente

Não abrange muita gente

É fluida, não necessita de muita explicação

Nem teorias da conspiração!

Que importa saber o que os outros sabem, de igual forma?

O que muda é perceção de quem recebe

Ou aceita ou rejeita

Muitas vezes faz de conta para não parecer tonta!

Portanto, não importa nada

A vida passa numa virada

Hoje aprendemos tudo, amanhã não sabemos nada!

Pode mudar o tempo, podem mudar as pessoas

Mas ser sábio é diferente não abrange toda gente!

OS ANOS LOUCOS DO SEC. XXI

RESPIRAR…

Fui caminhar

Tirei a máscara, precisava respirar …

Estamos metidos num grande sarilho

Não sabemos a sua saída

Nem sabemos o que queremos…

São tudo teorias da conspiração ?

Mas eles , seguem com o mundo na palma da sua mão…

Deixam-nos asfixiados com máscaras , vacinas,

Mentem-nos como gente “grande”

O que fazemos? Não sabemos…

Resta-nos colocar a máscara

Tomar a vacina deles

E fazer de conta que a vida segue em frente

Só que segue, de forma bem diferente…

Até lá , uns dormem, outros domam-nos

Enquanto meia dúzia de acordados

Preferiam adormecer e mais disto não ver…

Coisas sem aparente explicação

Apenas jogos de poder

Onde cada um que não faz parte

Coloca a máscara, obedece, não reage

Toma tudo isto, como se fosse um novo normal

Quando o normal há muito o deixou de ser

Mas só não vê que de facto não quer ver…

OS ANOS LOUCOS DO SÉCULO XXI


ROTA DO VINHO DO PORTO

Rio Douro, Porto e barco Rebelo que transportava o Vinho do mesmo nome, desde a Régua até ao Porto

“Figura incontornável do Alto Douro vinhateiro, Antónia Adelaide nasceu em 1811, no seio de uma família abastada e com créditos firmados no cultivo da vinha. Por diligência paterna, foi destinada a casar com um primo que nunca se interessou pelos negócios e que delapidou parte do património familiar. Enviuvou cedo, aos 33 anos, sendo já mãe de dois filhos: uma menina, Maria de Assunção, e um rapaz, António Bernardo Ferreira.

A vocação empresarial

A viuvez precoce despertou em si a vocação de empresária, levando-a a assumir a liderança da Casa Ferreira, fundada pelo seu avô, Bernardo Ferreira, por ordens do Marquês de Pombal. Fez grandes plantações de vinha, construiu armazéns, contratou colaboradores, comprou quintas importantes – Aciprestes, Porto e Mileu – e fundou outras – como Vale Meão –, tornando-se uma figura de primeira grandeza no setor do Vinho do Porto.“

A casa Ferreira do Vinho do Porto mais antiga e com

capital 100% português

Uma visita com prova de vinhos é imprescindível 😊
Moderação, só assim se pode fazer um 4 😉
Levar para casa é, irresistível, não adianta esconder o óbvio 😅
É o nosso Porto, cidade invicta , património cultural , vinho do Porto , região desmarcada , qualidade, elegância , bom gosto , tudo numa só prova 😄

OS ANOS LOUCOS SÉC XXI

ROTA HISTÓRICA PORTUGUESA

Aveiro (Veneza de Portugal ) barcos moliceiros , presentemente de passeio turístico
Ria de Aveiro e os moliceiros, também chamados gôndolas (erradamente)

Visitar Aveiro (norte direção ao sul Portugal ) é viver no arco íris, é rodear-se de canais, onde se pode fazer uma viagem de 45 minutos e visitar o seu esplendor. As salinas não se podem perder , ainda que estejam um pouco despidas, bem como o museu da arte nova, e, não esquecer de provar os famosos ovos moles , típicos da região …

Na viagem podemos observar pontes e fitas coloridas para todos os gostos, casados, divorciados, namorados, estudantes, amantes, etc 😊
Costa Nova /Aveiro
Visitar Aveiro e não visitar Costa Nova , é como ir a Roma e não ir ao Vaticano

Caracterizada pelas suas múltiplas cores, geometricamente pintadas que mais parecem ter saído de um conto infantil …

As rotas continuam ….

OS ANOS LOUCOS DO SÉC XXI

PORTUGAL COM HISTÓRIA

Barco Rebelo em Rio Douro Porto

Em tempos ancestrais, eram estes barcos que transportavam cerca de 100 pipas de vinho do Porto (leu bem, eram 100 pipas) desde a terras (agora) demarcadas do Douro até às caves do vinho do Porto que se situam em Vila Nova de Gaia, a outra margem …

Rio Douro que junta o Porto a Vila Nova de Gaia

Terceiro rio mais extenso da península ibérica ( 897 km) nasce em Espanha e desagua na foz do Porto… O seu nome Douro, vem do latim Durius, ou seja Duro, devido à dureza dos contornos e escarpas rochosas, porém, existem outras explicações, que podem ser apenas lendas…

Caves da Calem Porto

Caves da Ferreira de D. Antónia, o núnico vinho do Porto que se mantém com capital 100% português, e um dos melhores vinhos do Porto, principalmente o “Lágrima” entre os vinhos mais acessíveis…

Quem passar pelo Porto ou Gaia, não pode deixar de visitar as Caves icónicas Da casa Ferreira, Porto Calém e Sandman as mais antigas e emblemáticas

Os anos loucos do Sec XXI

PORTUGAL

Costa Nova Aveiro

Casas típicas coloridas, quanto mais melhor 😀

Aveiro

Barcos rebelos tipicamente portugueses, mas chamados de gôndolas, pois que, Aveiro é considerada a Veneza Portuguesa devido aos seus canais, à ria e ao mar 😃

Costa Nova o arco íris em casas 😀
Canal principal de Aveiro

Típico barco Rebelo

Onde há cor, há luz e vice versa ✨😃⭐️🌼🌈

Os anos Loucos do Séc XXI