O MUNDO EM PALAVRAS!

 

O mundo é uma roda viva de palavras vazias, debitadas ao segundo, sem fiscalização nenhuma, da sua veracidade!

Falam-se e escrevem-se sobre assuntos que não fazem nenhum sentido, para quem os lê, de uma forma pedagógica!

Uns crêem-se donos da razão, e, escrevem convictos que o que dizem é o certo, como se os que estão à sua volta, não soubessem nada de nada!

Convém estar atento a quem nada diz e nada escreve, e que tem potencial para o fazer, pois que, essas pessoas são donas de uma sabedoria ímpar, essa sabedora que faz com que não sejam apenas mais um, neste furacão de escritos e  escritas!

Essas pessoas, normalmente, andam disfarçadas de desinteressadas, criando a ilusão nos outros que nada sabem, mas, são as que verdadeiramente, mais sabem, apenas se aperceberam que a sua escrita, neste mundo que vivemos, pouco ou nada vale, pois, valorizam-se outras formas de passar a mensagem  para que ela, a mensagem, faça o maior dano possível, e faz!

Ninguém se respeita no meio deste furacão de palavras, nem podiam, pois que, quem em casa não teve berço, dificilmente o terá na vida!

Saber ouvir, saber como escrever, saber como passar a mensagem, é um dom que habita em  muito poucos, e mesmo assim, não estão livres dos odiosos “hater’s”, passo a redundância!

Nesta época severa que atravessamos, é necessário que não repliquem noticias más e ou falsas, com ou sem intenção. Não!

Precisam-se das pessoas que escrevam com senso, essas que andam saturadas do que lêem e por isso se refugiam em si mesmas. Apareçam!

OS ANOS LOUCOS

LA MAGIE DE L’EAU

Palais Versailles

QUANDO DEI CONTA?

Eu dei conta que escrevia

Quando percebi que ninguém me entendia!

A partir desse momento

Refugiei-me dentro do silêncio do meu tempo!

Nas minhas escritas!

Nas minhas personagens reais e fictícias!

Desde então, não parei mais de escrever

Como forma de conversar

Para que me quiser compreender!

Se eu parar de escrever

É porque percebi que alguém me quer entender!

Então escreverei apenas o que tiver que ser!…

 

OS ANOS LOUCOS

DESPERTAR!…

Desperto pela manhã

Com lembranças da madrugada

Da noite calada

Onde habitas sem precisares dizer nada!

Procuro o teu sorriso sempre que dele preciso !

Ele não é um tanto faz, ele é mesmo como a paz!

Transporta a energia de vida

Não qualquer energia

Apenas aquela que nos alivia, desta vida bem vivida!

Deito-me serena, na noite amena

Levanto-me pela manhã

Ergo a cabeça retribuo com gratidão

Sigo o caminho que não será nunca, em vão !

OS QNOS LOUCOS

CAIR DA NOITE!

Albertina Correia

Oiço o cair da noite

E tu com ela

Fico aqui pensando mais um pouco em ti

Adormeci !

Abraço o mundo

Porque o meu mundo é imenso

Mas só cabe nele a quem eu pertenço!

Preciso de outras palavras

Para descrever, este novo mundo a conhecer!

Falta tudo por aqui!

De novo dormeci !

Imagino o teu sorriso

Que me enche a alma e a deixa calma!

Eras tudo que eu precisava

Sem me dar conta, entraste e eu não fiz nada!

Deixei a porta complectamente aberta

Porque esperava por ti, desde o dia em que te vi!

Cada dia que passa

Oiço a noite a cair

E tu dentro dela permitindo-me estar mais perto

Entretanto fecho os olhos e de novo adormeço!

OS SNOS LOUCOS

JE SUIS!…

 

Je suis la portugaise
Qui aime le noir, le blanc et le vert
J’aime les humains
Les fleurs et les animaux
J’aime la vie sous toutes ses formes
Les humains d’autres religions
Les politiques pacifiques
Et de tout que me fait du bien
Et rien de plus
Pas d’humains drastiques
Pas d’humains toxiques
Pas de mots qui disent rien
J’aime les choses qui me rendent heureuse
D’une autre façon et meilleur dire
J’aime toute ce que n’est pas vulgaire
Les gens que sont contents
Même si la vie parfois, n’est pas parfaite !
Ça veut dire, j’aime que du bien
Et rien de plus !
Portant je suis la  portugaise
Qui aime le noir, le blanc et le vert !

Les années Folles

NOVO ARTIGO!

Novo artigo para dizer que está tudo dito!

Queremos escrever sobre outras coisas que nos possam alimentar a alma!

Mas a vida, corre de forma exageradamente calma!

Não tem pressa e nós, não podendo fazer mais do que fazemos

A ela nos vergamos e com vergonha ou não, por ela passamos !

Coisas deste novo século, tardaram mas, chegaram!

Agora não sabemos muito bem o que, e como fazer

Entretanto, e  neste  intervalo,  vemos outra vida a acontecer!

OS ANOS LOUCOS