OUTONO EM OUTUBRO

Ai Setembro Setembro
Que de ti, já pouco lembro
Esse pouco que transborda
E saiu pela estrada fora…

Foram dias esgotantes
Saturados de cuidados!


Esperemos que esta estação
Carregue consigo, dias repletos de paixão…
Paixão pela vida, pelas coisas novas de outrora
E de tantos dias infinitos e principalmente, bonitos…

Que de cuidadosamente pensados

Possam construir um novo mundo …
Porque do anterior, já nem queremos lembrar…

Melhor mesmo, é esquecer e arquivar onde tem que ser !

Os anos loucos do Sec XXI

ELEIÇÕES AUTÁRQUICAS 2021 PORTUGAL…

Está prestes a acabar mais uma campanha eleitoral para as autárquicas em Portugal…

Politica, é uma área suja, quem quiser fazer politica séria, basicamente deve “arrumar as botas”.

Vejo muitos cartazes, da esquerda à direita passando pelo centro, onde as mulheres imperam…

Este ano, poder-se-ia dizer que é o ano das mulheres, tal a quantidade para escolher seja em partido for…

Algumas, até conheço pessoalmente, o que me causa confusão, é ver pessoas com estudos, seja de que género for, com cultura, conhecimento das realidades, encabeçarem partidos tão corruptos, com casos que se arrastam, à espera da prescrição, com uma justiça altamente conivente…

Todos querem fazer a diferença, e no final, todos fazem mais igual…

Todos observam e quase ninguém vê…

Será que mudar, nem que seja uma vez, custa assim tanto?

Pois eu, serei fora da caixa, para trás deixo as minha ideologias, preciso de algo diferente, como tal, tenho que votar diferente…

Mas, ganhe quem ganhar, uma coisa sei, a mim não me preocupa, porque eu sempre trabalhei, sempre descontei, e sempre me “roubaram”, a questão a saber aqui, é quem rouba mais ou quem rouba menos…

Portanto, vamos lá a votar, um dever que não se deve deixar de fazer..

Albertina Correia

OUTONO 2021

Outono 2021, não é como qualquer um!

É um outono carregado de tudo um pouco…

-De melancolia…

– De alegria …

– De tristeza…

– De saudade…

– De tudo e de nada, mas principalmente, do diferente!

Queremos passar para outra fronteira

Queremos que vida regresse e não se apresse

Queremos ficar quietos mesmo que desinquietos

Queremos coisas novas

Porque é um renovar de verdades, de tempos idos de outras vaidades !

É um Outono de esperança

Assim esperamos que seja que não nos desiluda

Porque de tempo parado já chega

Dele mais não queremos

Pacientemente aguardaremos

O que com paciência o encontraremos!…

OS ANOS LOUCOS DO SEC XXI

TODOS OS DIAS…

Todos os dias, passo por debaixo daquele terraço…

Em cima, no alpendre

Está sempre um Senhor de idade, parado no tempo

Querendo buscar mais dele

E dele, já só vê a sua fuga, sentado

E sentado, olha e o absorve juntando-o um pouco mais

Ao todo, que já faz parte de seu passado…

Nada mais lhe restará que olhar o tempo que tem pela frente

Relembrando quiçá, o que já cá não está…

Sempre lhe dou a saudações matinais

Ainda que não me conheça, e eu não o conheça

Pode ser que aquele bocado de tempo

Aquele correspondido acenar espontâneo

Lhe faça reviver neste momento algum outro já passado…

OS ANOS TERRIVELMENTE LOUCOS DO SEC XXI

CONTAGEM DO TEMPO…

O tempo que conta,

Faço-me de esquecida, até de adormecida,

Para não ter que me encontrar com esta realidade …

Deste tempo que de outras eras nos trás saudade…

Somos os mesmos,

Apenas o contamos de forma diferente

Preenchemos cada minuto, cada segundo estúpido …

E assim se vão formando horas infinitas

Somadas, subtraídas, multiplicadas e divididas…

Aguardando que o relógio não se esqueça de nós

Que não pare, que não se revolte, que se recarregue

E nos devolva todo o tempo que nos tem que ser entregue…

OS TERRÍVEIS ANOS LOUCOS DO SÉC XXI

PELO CANSAÇO…

Assim nos vencem, todos os dias mais um pouco, pelo cansaço…

Esgotam-nos as energias e vontade de correr, atrás do que é suporto ser…

Damos por nós, prostrados impotentes, connosco e com toda a gente…

Chama-se vida a acontecer, mesmo, se é suposto assim não ser…

Deixam-nos sem argumentos, ou sem vontade de falar, sobre tudo que nos está a irritar….

Estão em um mundo diferente, onde o comum mortal, é apenas seu cliente …

Usam e abusam da informação, apenas para nos levar à exaustão…

Pior que tudo, conseguem, até vão mais além, deixando por conta do vizinho se fazemos ou não, tudo direitinho…

E o povo que nada pode, que nada aprende, vencido pelo cansaço, se deixa ir na enxurrada

Onde no final não existe mais nada …

Apenas cansaço, impotência, e mais uma Era prestes a acabar, sem nada mais para nos dar…

OS TERRIVEIS ANOS LOUCOS DO SEC XXI

DERRADEIROS ANOS LOUCOS DO SEC XXI

Os covideros de paixão, mais parecem os religiosos de convicção…

Para cada assunto mal explicado ou sem lógica, lá vêm eles, arranjar um justificativo, de facto, a religião estra impregnada nas veias, não deixa que os cérebros pensem sozinhos livres de crenças e de julgamentos alheios…

A medicina faz-se usando o contraditório, acontece, que neste caso, o contraditório é automaticamente apagado das redes socias/informação, e o povo aplaude sem ao menos querer ouvir a outra parte…

Em Portugal, diziam hoje os jornais mais importantes, e passo a citar “No ano 2020 não houveram mortes por gripe”, quando sabemos perfeitamente que morriam às centenas…

Mas, lá vêm os covideiros explicar, que era por causa de usarem máscaras e gel, blá blá, mas, são/foram as  mesmas máscaras e gel que não os protegeu do covid, há, pois, porque o covid era/é, mais contagioso, dizem…

Arranjam sempre uma explicação, mesmo que ilógica para não ter ouvir os outros.

Mas, a missa ainda vai no adro, vão-nos fazer um tal cerco, criar uma tal crença em nós, que vamos pensar que um simples passe sanitário nos devolve a liberdade (já de si muito limitada), quando é precisamente o contrário …

Porque razão, em todo o mundo, todos tomam as mesmas vacinas não havendo uma análise de risco associado mediante doenças que se possa ter?

Dir-me-ão, é em prol da economia, há pois é, em prol da economia deles, biliões de euros e dólares gastos em vacinas, e não ficaremos por aqui…

Pois, acabaram as guerras, é necessário outra fonte de rendimento, para estas elites, o povo paga,  desespera e morre …

Esta elite, também formada por estes acéfalos que andam no espaço, deveriam ir todos eles, mas, apenas com bilhete de ida…

OS DERRADEIROS ANOS LOUCOS DO SEC XXI

O TEMPO QUE É APENAS TEMPO

Este tempo que é apenas tempo…

Quase se gasta de forma que não se sente, é indiferente…

Deambulamos pela vida, de forma paulatina…

Perdeu-se a pressa de outrora, foi embora?

Não fazia muita falta, mas agora, existe um vazio

De uma lentidão sem sentido…

Prometemos ultrapassar este intervalo, no tempo

Mas teima em ficar, apenas para nos atormentar…

Ainda assim , prometemos ser fortes

E como dos fracos não reza a história

Fincamos o pé, olhamos em frente, e, vamos lá toda a minha gente !

OS ANOS LOUCOS DO SEC XXI