Recordo aquele olhar
Difícil de controlar
Percorrendo minhas entranhas
E no auge ir repousar

Recordo com pormenor
Cada segundo alcançado
Corpos sedentos de prazer
E de abraços entrelaçados

De leve passou as mãos
No corpo húmido deitado
Debruçado sobre amor
Ofegante de excitado

Não dá mais para controlar
Tanto prazer escondido
Basta um breve olhar
Para despir e alcançar
O que os corpos têm para dar

Sao aromas de êxtase
Sao palavras de surdina
Sao olhares provocadores
Molhados entrelaçados
Num momento de prazer
De manha ao anoitecer

Não são precisas palavras
Para explicar coisa nenhuma
Sao olhares descontrolados
Abraços infinitos
Gritos com muita cor
E gemidos com muito amor

Anúncios