ESTRANHALEVEZA

Hoje o vento deu-me uma bofetada
quase me deixou tombada
passou nos meus ouvidos por um triz
Sussurrou muito baixinho
mas só não ouviu quem não quis…
Falou-me de si e da chuva
do mar e da terra
não percebi porque o fez
falava palavras despidas
de significados, sujeitos e predicados…
Mas porque me deu uma bofetada
se eu até não lhe fiz nada?…
foi para me dizer por um triz,
tudo aquilo que nunca quis?
Que tem a chuva, a terra o vento e o mar
que possa ter algum significado para me dar?…
Talvez quisesse que eu sacudisse
o tempo passado que já não existe
que lavasse a alma com a chuva
para me tornar mais pura
que atirasse para o mar o que não interessa
permanecesse na terra
onde os pés podem ficar bem assentes
que nem com a uma bofetada me pode deixar tombada?…
Talvez seja esta a mensagem
para levar tamanho abanão
agora que já passou
estou de regresso ao meu “castelo”
onde tudo é complicadamente singelo
onde me refugio
do tempo do vento do mar
para na terra do meu “castelo”
Me deixar por lá ficar…

Anúncios