2015/03/img_0002.jpg

Sobre as emoções

DEPRESSÃO

Vontade do sim e do não, tudo na contramão
Esse estado pleno de tudo sem vontade de nada
Que nos arrasa, esquarteja, e nos trama
Não nos dando sequer uma ideia
Mostrando somente um caminho
Para nos fazer sair devagarinho…

Mas depressão cerra-nos a visão
Confunde-nos o tempo
Inunda-nos o cérebro
Atira-nos para o pântano
Esperando que do nada
Sejamos capazes de florir
Como se o nosso estado fosse a fingir…

Não, depressão não dá trégua
Alimenta-se do teu sorriso
Conforta-se com o teu vazio
Fortalece-se do teu tudo
Deixando-te até saudade
De como respirar com vontade…

Fica a vontade dos avessos
De partir e não ficar
Seja neste ou em outro lugar
Diluindo-te a alma
Não te permitindo alinhar ideias
Essas que estão acorrentadas
Esmagadas, atraiçoadas
Por uma qualquer depressão
Que te tira até a vontade
De explicares a tua razão…

Por fim deixas cair os braços
Atiras a toalha ao chão
Escondes o rosto na mão
Ficas prostrada
Porque da vida já não esperas nada…

Ē assim a depressão
Não deixando alternativa
Para procurar uma saída…

Por: Albertina Correia
08/03/2015

Anúncios