“É preciso ter uma paciência para meditar”

 Esta frase que ouvi, é a frase mais reveladora do quanto quem nela pensa, está tão isolado de si mesmo.

Não precisamos de paciência para meditar, mas sim, precisamos de meditar para ter mais paciência…

Quem não tem “paciência” para meditar, não está preparado para ouvir o seu interior e o que verdadeiramente é importante para si, até ao ponto dessa importância se ir desvanecendo, e, de forma natural ir acontecendo de acordo com a essência que se pretende.

Como tudo na vida, a meditação também tem um início, será necessário de facto, calar “imensa gente” que habita dentro da mente, essa que todos os dias nos preenche cada pedacinho do corpo e muitas vezes, nos faz sentir completamente esgotados.

Um dia de cada vez, para tudo, marcando uns minutos  para falar consigo mesmo, sobre tudo que o preocupa, e não consegue verbalizar, e muitos assuntos, nem devem sequer, ser verbalizados.

Meditação é um esvaziamento da mente, e de assuntos que não é suposto lá estarem.

Quando esvaziada, a sensação é de flutuação, de libertação, de empoderamento, é reconfortante.

Talvez dê por si, a ser “menos sensível” aos problemas dos outros, o que não quer dizer que não se preocupe, apenas está mais virado para dentro de si mesmo, já que “resolver” os problemas dos outros, é extremamente fácil, pois que, não nos tocam, não habitamos neles, logo, dar soluções é rotineiro, já o mesmo não se aplica quando se trata de nós mesmos.

Por isto tudo, é fundamental o seu tempo consigo, ouvindo-se em meditação o que de outra forma, não seria possível…

Libertação

 EU E OS OUTROS