caracoisTanto anos fechada num espaço tão minúsculo…
Dobrada sobre si mesma, esperando a liberdade…
Foram anos na escuridão, mesmo assim a camisola rosa não perdeu a cor…

Os curtos caracóis do cabelo, graciosamente desarranjados
Olhos de quem quer quer entrar no mundo das cores
Ansiedade para sair em liberdade
Descalça como sempre e, como sempre com os calções pretos
Levemente se levanta, levada em mãos de seda para o paraíso…

E nada ficou ao acaso…
As Lágrimas ficaram nos poucos metros quadrados

Agora de caracóis ao vento
De pés na agua cristalina
De mãos atarefadas, com tantas cores para tactear
E Sobretudo e, liberdade após grande cativeiro…

Foi uma longa viagem
Mas a mão que a puxou, era branca e macia
A blusa ou vestido era sedoso
Com múltiplos folhos rendilhados

Soltou-a para o arco íris
Não mais voltará à escuridão

Menina traquina
De caracóis graciosos
De risos e sorrisos contagiantes
E de pezinhos saltitantes

Já passou
O universo é teu
Vai para ele sem mais demora
Estraga a tua camisola rosa
Esquece o que aconteceu
Porque a tua vida ainda não viveu…

Sê feliz e sorri
O teu universo agradece e retribui…

(pequenos retalhos de vida)

Albertina Correia
06/08/2014

Anúncios