oculto

Hoje entrou “alguém”
Pela minha mente dentro
Não tinha rosto nem corpo
Baralhou-me o pensamento…
Mesmo achando estar “certa”
De tudo que cá tenho dentro…

Não pude argumentar…
Não pude questionar…
Apenas pude reflectir
Em tudo o que estava a sentir…

Deixou tudo em estado de sítio
Para eu recolocar
Terei que me transcender
Catalogar e,
Arquivar o que tem que ficar…

Usar a imaginação
Recriar argumentação
E nada questionar
Porque
“Alguém” entrou mente dentro
Sem rosto nem corpo
E não pretendia mais nada
Que não fosse, a minha vida
Muito mais simplificada…

“Alguém” entrou e tinha razão
A vida não é mais que um sopro de vento
Sem tempo
Sem memoria
Que não seja o presente
Do mais importante que se sente…

(Folhas soltas)
Albertina correia

26/08/2014

Anúncios